skip to Main Content

Esforços para salvar baleias e golfinhos são recompensados mundialmente.

BALEIAS

Junho foi um bom mês para os ativistas que há muito lutam e fazem campanha contra baleias e golfinhos mantidos em cativeiro em pequenos tanques para entretenimento humano.

Além das duas baleias que foram transportadas de avião do aquário de Xangai na China para o santuário de baleias na Islândia, o Canadá aprovou uma legislação que torna “ofensivo manter cativo, reproduzir, importar ou exportar qualquer baleia, golfinho ou boto”.

A Rússia também disse que vai acabar com a brecha legal usada pelos traficantes que capturam os cetáceos para “fins educacionais e culturais”. O presidente Putin se curvou à pressão para fechar a “prisão de baleias” no extremo leste da Rússia e libertar 10 orcas e mais de 80 baleias-beluga de volta à natureza.

A união do Sea Life Trust (Fundação para a Vida Marinha), com a ONG Whale and Dolphin Conservation (Conservação de Baleias e Golfinhos), foi responsável pelo transporte das duas baleias belugas de Xangai para a Islândia – um projeto mundial que serve de modelo para acabar com essa indústria cruel.

Com mais de três mil baleias e golfinhos ainda em condições intoleráveis, especialistas não negam que há muito trabalho a fazer. Mas os eventos deste mês são fontes de esperança para que a luta persista.

O Whale Sanctuary Project esta trabalhando com o governo russo para devolver 97 orcas e baleias belugas às suas águas oceânicas.

Todos os que estão trabalhando nesse esforço ficaram satisfeitos com a solução para libertação do cetáceos, conforme informações do The Guardian. O transporte pretendido das orcas russas para a China (aquário) não era apenas uma farsa, mas também uma perturbação do ecossistema do Mar de Okhotsk.

O vice-primeiro-ministro Alexey Gordeyev acrescentou que o governo vai mudar a lei que permite que as baleias sejam capturadas para entretenimento. Outro grande passo em frente.

Baleias, golfinhos e demais animais que pertencem a vida marinha foram feitos para ser livres e gozar da vida no oceano, junto aos seus iguais. Não restam dúvidas sobre o quanto a vida em cativeiro é nociva e muitas vezes fatal a esses seres vivos.

 

Fonte: ANDA

Back To Top